Para Profissionais,  Sobre

Entenda como calcular comissão de funcionários do seu salão

Quando o assunto é a administração do salão de beleza, encontrar o caminho certo para calcular comissão de funcionários pode ser um grande desafio. Afinal, comissões podem tanto motivar quanto desmotivar os colaboradores.

De um modo geral, o ato de comissionar vendedores costuma incentivar o trabalho, mas para chegar nesse ponto é preciso implementar um processo de pagamento de comissões adequado. Não sabe como fazer isso? Continue acompanhando este post e descubra!

Escolha o melhor tipo de comissão.

Para garantir a melhor escolha, conheça as questões relacionadas ao seu mercado e ao seu produto ou serviço. A partir disso é possível escolher entre alguns modelos:

– Comissão com percentual fixo por venda

Nesse tipo de comissão o funcionário recebe uma porcentagem fixa sobre o valor de cada venda ou serviço prestado.

– Comissão de acordo com a margem do lucro

Esse modelo se torna benéfico inclusive para a própria empresa ao longo do tempo, pois está ligado diretamente à lucratividade. O funcionário recebe uma porcentagem fixa assim como no modelo anterior, mas com uma diferença: a comissão é calculada sobre a margem de lucro obtida e não pelo valor de venda/prestação de serviço.

– Comissão de vendas em função do faturamento

O funcionário recebe a sua comissão com base no valor que a empresa recebeu no mês anterior, independentemente do tipo de venda — parcelada ou não.

– Comissão em função dos recebimentos de vendas

Esse modelo prevê que o funcionário receberá o pagamento das comissões apenas quando o dinheiro entrar na empresa. Ou seja, aspectos como venda à vista, parcelada e pré-datada são relevantes para o modelo, que possibilita um melhor controle do caixa por parte do gestor.

Automatize os cálculos.

Qualquer gestor, quando desprovido de ferramentas que automatizem o serviço, abre espaço para o surgimento de erros. Sendo assim, adote um sistema de vendas que possibilite acompanhar o trabalho realizado por cada funcionário.

Além disso, é importante também que esse sistema calcule o valor das comissões, seja por margem de lucro, por venda/prestação de serviço ou qualquer outro modelo.

Implemente um processo de pagamento de comissões.

Reunir todos os dados referentes ao pagamento de comissões em um documento ou em uma planilha é a melhor forma de começar a organizar o processo. A partir disso planeje a gestão, levando em consideração o planejamento de custos, o levantamento do lucro e o ponto de equilíbrio.

Após conhecer esses fatores — responsáveis por mostrar o quanto a empresa precisa “realizar vendas” para começar a lucrar —, liste todos os funcionários que receberão comissão e os valores (porcentagens, por exemplo) recebidos por cada um.

Feito isso, lance no documento ou na planilha cada venda fechada, calculando a comissão com base na porcentagem recebida por cada funcionário. Dica: planilhas fazem esse cálculo de forma automática!

Crie relatórios e gráficos.

A partir do que é analisado nesses documentos (relação entre vendas realizadas e comissões recebidas, por exemplo) é possível entender quais são as necessidades da empresa e dos funcionários e propor mudanças que visem melhorar o trabalho.

Sendo assim, pode-se dizer que essas são ferramentas que auxiliam na avaliação do desenvolvimento de cada funcionário, bem como na avaliação do rendimento da empresa em um período específico.

Converse com os funcionários.

Essa, assim como os gráficos e os relatórios, é uma das melhores formas de entender o quão eficiente é o modelo adotado, bem como identificar possibilidades de alteração que se adaptem mais às necessidades dos funcionários e também da empresa. Sendo assim, converse com os funcionários, proponha metas e também ofereça incentivos. Isso será um elemento extra na motivação deles!

Apesar de parecer sinônimo de dor de cabeça, calcular comissão de funcionários pode ser uma tarefa recompensadora quando se tem um sistema adequado que incentiva cada vez mais o trabalho do colaborador. Afinal, quanto mais ele se sente incentivado a receber comissão, mais vendas realiza — e, consequentemente, mais o estabelecimento lucra.

Gostou das nossas dicas? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de outros conteúdos como este!

2 Comentários

  • Erick

    Como posso ter uma conversa com um funcionário que quer começar a vender produtos dentro do meu salão por conta própria sem deixa-lo meio esquisito comigo por dizer que não é certo fazer?

    • Heloisa Brito

      Uma das habilidades mais difíceis é chamar atenção de outra pessoa sem magoá-la ou deixá-la com raiva. Quando o crítico é o proprietário da empresa, é ainda mais delicado, pois a convivência é diária e não existem níveis hierárquicos que filtrem as relações entre as partes. Se o líder é muito duro, pode ofender. Se é muito complacente, não consegue corrigir.
      Uma conversa harmoniosa e direta terá bons resultados na empresa e amenizará conflitos internos.
      Chame a pessoa em particular e discretamente em uma sala isolada para ter a conversa.
      Ao desenvolver o diálogo, tente não mostrar os fatos negativamente.
      Critique o comportamento, não o indivíduo: Dizer que a pessoa está tendo um comportamento inadequado na empresa é muito mais produtivo do que chamá-la de incompetente ou desqualificada. No primeiro caso, você enseja oportunidade de melhoria, no segundo, você dá a entender que a pessoa é um caso perdido e, se for isso mesmo, demita, mas não a ofenda
      Justifique que toda atitude isolada de um funcionário atinge a empresa como um todo.
      Sugira novas maneiras e reforce a ele as normas da empresa. Sinalize situações anteriores positivas do funcionário e use na argumentação. “Você executou/executa muito bem o seu trabalho e é dessa forma que precisamos que você trabalhe.”
      Também é importante ouvir a versão do funcionário. Ele provavelmente deve ter uma justificativa e o julgamento da situação deverá vir da sua observação. Se o colaborador já tem um histórico de desculpas, não dê tanto crédito. Porém, se for uma pessoa que se mantém na linha, não há necessidade de ser muito duro.
      Acreditamos que uma boa conversa, de forma respeitosa provavelmente será respeitado por sua assertividade e dará oportunidades reais de melhorias à pessoa criticada.

      Esperamos ter te ajudado 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.